Tudo sobre dislipidemia em crianças

O que é dislipidemia?


A dislipidemia é um distúrbio nos níveis de lipídios (gordura) e/ou lipoproteínas no sangue, principalmente do colesterol e dos triglicerídeos.

A importância da dislipidemia na formação das placas de aterosclerose, determinando Doenças Cardiovasculares como Infarto e Acidente Vascular Cerebral (“derrame cerebral”) já é bem reconhecida nos adultos. Porém, nos últimos anos, essa preocupação tem se estendido à faixa pediátrica, pois sabe-se que esse processo pode já se iniciar na infância, com evolução silenciosa.

Artéria

Hoje, devido ás mudanças de hábitos alimentares e sedentarismo, a obesidade infantil tem aumentado assustadoramente, e as alterações de colesterol e triglicérides é frequente.

Além da obesidade, há outras doenças que cursam com dislipidemia na infância: Diabetes, Hipotireoidismo, Síndrome Nefrótica, Insuficiência Renal Crônica, Lupus Eritematoso Sistêmico, Deficiência de Hormônio de Crescimento, Infecção por HIV. O uso crônico de algumas medicações também podem ocasionar hiperlipidemia, como Carbamazepina, Acido Valproico e Corticóides.


Dislipidemia diagnóstico

Segundo a I Diretriz Brasileira para a Prevenção de Aterosclerose na Infância e Adolescência, a triagem de dislipidemias deve ser feita em todas as crianças a partir dos 10 anos de idade, com dosagem de Colesterol Total em jejum.


Deve-se solicitar perfil lipídico de crianças de 2 a 10 anos quando:
  • Pais ou avós com história de aterosclerose precoce;
  • Parentes de primeiro grau com valores de colesterol total 240 mg/dL e de triglicérides 400 mg/dL;
  • Possui outros fatores de risco, como Diabetes, Síndrome Nefrótica e Lupus Eritematoso Sistêmico;
  • História familiar desconhecida

Valores de Referência na Infância:
Desejável (mg/dl) Limitrofe (mg/dl) Aumentado (mg/dl)
Colesterol Total <150 150 ~ 169 >170
LDL-c <100 100 ~ 129 >130
HDL-c >45 -- --
Triglicerides <100 100 ~ 129 >130

Prevenção e tratamento da dislipidemia

A prevenção da dislipidemia deve iniciar ao nascimento, com o aleitamento materno exclusivo até os 6 meses de idade.
A introdução dos alimentos complementares deve ser balanceada, evitando alimentos industrializados e estimulando o consumo de legumes, hortaliças e frutas.
Em crianças maiores devemos evitar doces, guloseimas e salgadinhos.
Estimular a pratica de atividades físicas diminuindo os períodos de televisão, vídeo-game ou computador.

O tratamento inicial é sempre a mudança dos hábitos alimentares e aumento de atividades físicas.
O tratamento medicamentoso fica reservado para casos de hipercolesterolemia e/ou hipertrigliceridemia persistente sem resposta ao tratamento inicial, em crianças acima de 8 anos de idade, associado a fatores de risco e antecedentes familiares positivos.